MARAPA E ATM REALIZAM ATELIÉ SOBRE PROTECÇÃO E CONSERVAÇÃO DE TARTARUGAS MARINHAS

MARAPA E ATM REALIZAM ATELIÉ SOBRE PROTECÇÃO E CONSERVAÇÃO DE TARTARUGAS MARINHAS

ONG’s realizaram, há dias, em São Tomé, um atelier sobre a protecção e conservação de tartarugas marinhas.

Actividade, teve lugar, numa das salas da Biblioteca Nacional, na Cidade de São Tomé.

O evento, promovido pela MARAPA, foi, aberto, por Gualter Vera Cruz, em representação da Câmara Distrital de Água Grande.

O certame visou sensibilizar, entre outros, agentes e instituições que concorrem para protecção e conservação de tartarugas marinas, uma espécie em vias de extinção.

Sublinha-se que das setes espécies deste animal existentes no Mundo, no mar do arquipélago santomense confluem cinco.

E, o ateliê realizado, sexta-feira, visou, entre outros, discutir medidas para o reforço de protecção de tartarugas, evitando – a assim de seus inimigos ou predadores.

Destes, sublinham-se o homem, que ao longo dos tempos habituou-se a consumir e a comercializar a carne deste animal, que, não é senão um réptil, assim como cães, porcos, águias, nomeadamente, falcões e/ ou turbações e outros mamíferos que não perdoam o seu filhote.

No país, graças a acções levadas a cabo pela MARAPA e ATM, cuja figura principal é Sara Vieira, algumas medidas foram tomadas, entre elas, adopção pela Assembleia Nacional(Parlamento) de um decreto-Lei que penaliza quem comercializa a carne ou ovos de tartaruga.

A Decreto-lei em causa, corporiza penalizações duras para prevaricadores.

Mas em algumas Praias, a preocupação ainda é grande.

Assim, e na perspectiva de garantir a conservação da espécie, MARAPA e a ONG lusa, criaram mais de duas dezenas de guardas, sobretudo, na zona sul, em Caué e outros distritos, como Lobata (em Micoló e Praia de Morro Peixe).

Em Água Grande, a preocupação é grande com relação as Praia Gamboa, Cruz e Loxinga.

Em Mé-Zóchi, Praia melão, é o centro de atenção dessas mesmas ONG’s.

Neste ateliê, concluiu – se que medidas de sensibilização estão a ter algum efeito, mas recomendou – se o seu reforço, particularmente em aglomerações desportivas, televisões, nas escolas básicas, outros órgãos de Comunicação Social assim como em redes sociais.

O ateliê em causa, sucede outra já efectuada no distrito de Caué, com propósito de sensibilizar principais agentes que devem velar, entre outros, pela protecção e conservação de tartarugas, que, contribui grandemente pelo equilíbrio ambiental marinho e da sociedade em geral.

Fim/MD

Comentários

Attachment

mara

Nossos Parceiros